A pintura do seu carro está desgastada? Enjoou da cor do veículo que está em sua garagem e está pensando em simplesmente comprar tinta e pagar para alguém pintar?
Antes de tomar essa decisão, é preciso estar atento a alguns detalhes, como os materiais utilizados para a pintura, o custo-benefício de fazer a pintura em casa e o que é permitido por lei com relação à mudança de cor do veículo.
Separamos todos esses detalhes para você.
Confira:

Estado do veículo

Carro na rua
Para iniciar a pintura do seu veículo, é preciso verificar o estado da lataria do carro. Isso porque alguns detalhes podem prejudicar a qualidade da tinta e o resultado após o trabalho ficar pronto.
Em alguns casos, riscos, amassados, arranhões e ralados no carro deixam o aspecto visual ruim após uma pintura, isso porque o acabamento da tinta pode ressaltar estes defeitos, causando bolhas ou partes salientes na carroceria.
Portanto, se o carro estiver com algum destes defeitos na pintura, é necessário levar o veículo a uma funilaria para reparos. A ação deve ser feita em uma oficina especializada para evitar maiores danos à carroceria do carro.

Quanto custa?

Pintura de carro
O valor do serviço de pintura de um carro pode variar bastante. Há profissionais que cobrem R$ 1,5 mil e outros que possam pedir até mais de R$ 7 mil. Contudo, o valor geralmente é proporcional à experiência do prestador de serviço, ao nível de detalhes que a pintura demanda e ao tamanho do veículo.
O orçamento também leva em consideração o estado da pintura original do veículo. A conta é proporcional ao estado da carroceria do carro. Desta forma, quanto mais degradada está a pintura, mais caro o trabalho ficará.
O que diz a lei?
Não há problema em retocar a pintura do carro, utilizando a mesma cor que está registrada no documento do veículo. Com o tempo, a tinta vai ficando desgastada e pedir para trazer vida à oração não é uma infração.
Além disso, é possível customizar a pintura do carro em até 50% da área total do veículo sem precisar fazer nenhum tipo de alteração no documento do veículo. Mais do que isso caracteriza-se como uma mudança na cor primária do carro.
Desta forma, pintar o carro e alterar as características de fábrica ultrapassando a metade da área total do veículo é uma prática proibida, se não houver autorização do Detran, que detém o registro do automóvel.
Para solicitar essa autorização, é preciso levar os documentos pessoais do dono do carro ao Detran, com cópia simples. Além disso, é preciso, ao longo do processo, apresentar o CRB (Certificado de Registro de Veículo) original e o CRLV (certificado de registro e licenciamento de veículo) original.
Se você adquiriu o carro zero-quilômetro e já deseja modificar a cor de fábrica, a nota fiscal da compra substitui o CRLV e pode ser apresentada ao Detran.
Painel