Odômetro

Qual a quilometragem ideal para um seminovo?

Existe quilometragem ideal para um seminovo? Especialistas dizem que, mais importante que isso, é ter a certeza de que o veículo tenha passado por todas as revisões e esteja em um bom estado de conservação.
Contudo, se a quilometragem estiver adulterada, você deve tomar algumas precauções.

Importância da quilometragem em um seminovo

Odômetro
Na hora de comprar um carro usado, a quilometragem é importante para dar uma ideia de quanto o veículo já rodou e a quais desgastes ele foi submetido. Algumas peças precisam ser substituídas de tempos em tempos, portanto, quanto mais quilômetros, mais componentes tiveram de ser trocados no seminovo.
Contudo, se o dono anterior fez todas as revisões obrigatórias e não submeteu o veículo a condições adversas, você não terá problemas com um carro de quilometragem mais alta. Um veículo menos “rodado” que não foi cuidado da forma correta pode apresentar mais problemas que o contrário.
Entretanto, se você identificar que há algum tipo de adulteração na quilometragem, é possível que o antigo dono esteja tentando esconder algum defeito ou desgaste do veículo. Sempre preste atenção no estado de conservação do carro e não leve em consideração apenas os números do odômetro.

Como saber se há adulterações na quilometragem?

Odômetro
Existem diversos métodos para saber se a quilometragem indicada corresponde ao número real de quilômetros percorridos pelo veículo. O método mais ortodoxo é levar a uma concessionária ou oficina que tenha um aparelho para medir essa informação.
Por meio de um equipamento, é possível conectar-se ao chamado “cérebro eletrônico” e visualizar diversas informações sobre o veículo. Desta forma, você saberá exatamente a quilometragem rodada pelo veículo que você pretende comprar.
Outra forma de ter uma ideia de quantos quilômetros o carro já rodou é verificar o manual do proprietário e ver quantos carimbos de revisões feitas em concessionárias o modelo tem. Neste caso, é só comparar com a quilometragem que mostra no painel, que você terá o resultado.
Se o carro não foi revisado em concessionárias, é seu direito exigir as notas fiscais para confirmar essa informação. Esse método também contribui para que você saiba como o último dono cuidou do veículo.
Também procure por marcas que possam indicar que o painel foi desmontado. A adulteração do odômetro é feita por meio da abertura do painel. Se identificar algum indício, pergunte o que houve.
Se você quiser avaliar por observação, também é possível ter alguma ideia da quilometragem do veículo. Um carro com até 50 mil quilômetros quase não tem desgaste no interior. Aos 100 mil quilômetros, o desgaste é baixo, mas é possível ver marcas de uso. Mais que isso, você já verá marcas mais sinais de que o carro é usado.
Observe também a data dos pneus e confirme se está no primeiro ou segundo jogo. Você verá essa informação após a sigla DOT. São quatro números indicando o dia da semana nos dois primeiros e o ano de fabricação nos dois últimos. O primeiro jogo deve ter o mesmo ano de fabricação do carro, caso o pneu não tenha sido substituído nenhuma vez.
Se os pneus estiverem gastos, também é um indício para desconfiar. Contudo, esse último fator não é determinante, pois o desgaste dos pneus também pode variar de acordo com a frequência e o tipo de uso, além dos ambientes pelos quais o motorista passou.

Painel

Quilometragem pode estar adulterada. E agora?

Se você identificar que a quilometragem do veículo está adulterada ou ao menos suspeitar da irregularidade, não compre o veículo até que você tenha certeza de que está tudo certo. Outra dica importante é que você evite comprar veículos que não tenham histórico comprovado de revisão.